sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Pentacrostic


A banda foi formada no ano de 1989 em São Paulo.
Considerada por muitos a pioneira do estilo Death/Doom no Brasil.
Tendo na sua formação original Marcelo Sactum (baixo e vocal), Marcelo Nechron (guitarra), Adriano Mayhen (guitarra) e Alan Hanmon (bateria). A banda lançou sua primeira demo em 1991 e logo chamou a atenção da Hellion Records, selo pelo qual lançou seus três primeiros álbuns.







DISCOGRAFIA:




Nesses 21 anos a banda teve várias mudanças em sua formação e atualmente conta com Marcelo Sanctum (baixo e vocal), André Gubber (guitarra), Ricardo Costa (guitarra) e Leandro Gavazzi (bateria).
"De profundis" foi o primeiro álbum que eu ouvi da banda e virei fã na mesma hora. "The meaning of Life" é a música preferida e na minha humilde opinião "The Meaning of Life" é o álbum mais legal também.
Eu e a Harumi tivemos a oportunidade de conferir a banda ao vivo no festival Rock in Hill em Bueno Brandão (14/novembro) e nossa destruidor...!


Algumas imagens deles no Rock in Hill:




Para quem quiser conhecer mais sobre a banda o Myspace é:
pra quem não conhece fica aí a dica
By  Youkai

Salário Mínimo


Muitas pessoas só de pensarem em Heavy Metal, transportam suas mentes para o resto do mundo, sem saber que aqui mesmo no Brasil, existem excelentes bandas de Heavy Metal como é o caso da Banda “Salário Mínimo”.
Salário Mínimo é uma banda de Heavy Metal e Hard Rock paulista, formada em 1977, bem na época em que estourava as melhores bandas do gênero mundo afora.
Essa banda surgiu da idéia de 4 amigos que curtiam Rock, que estudavam no colégio Pde. Sabóia de Medeiros, zona sul de São Paulo. 
Eram eles: Willian (guitarra), Mago (baixo), Junior Bea (vocal) e Marcio (bateria). Formação que não durou um ensaio, já que logo após o mesmo, perceberam que Marcio tocava bateria muito mal e o Bea não servia pra vocalista.
Por fim, depois de alguns testes e ensaios a formação que começou a fazer aparecer o nome da banda foi a seguinte:




Willian (guitarra)

 Junior Bea (bateria)

Mago (baixo)

Plinio Zacka (vocal)
 




Mas a formação que colocou a banda no ápice do sucesso nos anos 80 foi: China Lee (vocal), Thomaz Waldy (baixo), Nardis Lemme (bateria), Arthur Crom e Júnior Muzilli (guitarras).
A banda tem apenas dois discos gravados, SP Metal (1984, gravadora Baratos Afins) com cerca de 18.000 cópias vendidas e o disco de maior sucesso em toda a historia da banda, Beijo Fatal (1987, gravadora RCA) com mais de 78.000 cópias vendidas.

Não basta-se todo esse sucesso com os discos, a banda fez várias apresentações em programas de TV. E mais de 700 shows por todo o país, fazendo com que seu Fã-Clube recebe-se em média 2.000 cartas por mês.
Tocaram pelo Brasil afora até a 1990, quando a banda encerrou suas atividades e ficou por cerca de 14 anos sem aparições, retornando apenas em 2004, com uma nova formação e muitas idéias na cabeça.
 
 A formação atual da banda conta com:
China Lee - vocalista


Marcelo Ladwig - bateria 


Diego Lessa - baixo e backing vocals
Daniel Beretta - guitarra solo
                        
       
Junior Muzilli - guitarra e backing vocals





Nesse ano, tive a oportunidade de presenciar um show deles no festival Roça n' Roll, podem perguntar para nossa querida Harumi, pois ela também estava presente e sem duvida nenhuma, eles fazem por merecer o sucesso.
Dia 19 de setembro de 2010 a banda abriu o show para um sucesso internacional, fazendo sua última turnê antes de encerrar a carreira: Scorpions, no Credicard Hall em São Paulo.
É isso ai pessoal, espero que vocês tenham gostado, pra quem quiser saber mais, segue o link do site oficial da banda:


Fica assim galera, até a próxima.

    ””””””””””””””Live and let Rock””””””””””””””

 By Caio 



Ver a banda Salário Mínimo ao vivo é inesquecível! Eles são muito divertidos, possuem um entrosamento mágico; é divertidíssimo!
Segue abaixo uam foto do show da banda Salário Mínimo que eu e o Caio pudemos conferir no festival Roça n Roll - 2010:
Harumi
Apresentação da banda Salário Mínimo no festival Roça n Roll - 2010









quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Entrevista com Rodrigo Azevedo - Triumph of Metal Festival


O Festival Triumph of Metal, desde 2000 vem trazendo para a região sul de Minas Gerais grandes e promissores nomes do Metal Nacional e neste ano de 2010 puderam contar com uma atração internacional:
Paul Di’ Anno (ex-Iron Maiden).
Durante estes dez anos de festival, houveram quatro edições recheadas de excelentes bandas.
Não há como deixar passar em branco a extrema preocupação dos organizadores do evento em fortalecer a cena Metal como um todo. Sempre ajudando a divulgar outros festivais.
Conheça mais pelo site:
  http://www.triumphofmetal.com.br




~.¸¸.❋.¸¸.~
Confira esta pequena entrevista com Rodrigo Azevedo (um dos organizadores do evento):  

Quimeras: Há quanto tempo existe o Triumph of Metal?
Rodrigo Azevedo: A primeira edição do Triumph of Metal foi idealizada ainda no final do ano de 1999 e foi efetivamente realizada no dia 09/04/2000, contando com a participação das seguintes bandas: Tuatha de Danann, Corpse Grinder, Punishment, Mr. Wizard, Menorah e Seventh Steel.
Eu e Gustavo de Oliveira demos esse ‘ponta pé’ inicial.
Em seguida organizamos, com ajuda de outros amigos, a segunda edição em 2003, a terceira em 2004 e a quarta em 2010. Contando com várias bandas legais nessas edições, entre elas: Paul Di’anno, Chakal, Attomica, Torture Squad, Fates Prophecy, Leviaethan, Executer, Revolt, Hell Trucker, Silent Hall, Holy Sagga, Lothloryen, entre outras.
Q.: Como surgiu o evento?
R.: O evento surgiu da necessidade (na época) de suprir uma carência de festivais de Rock/Metal aqui na cidade de Pouso Alegre/MG.
Q.: Sobre a edição de 2010, como escolheram o cast?
R.: A definição do cast da edição de 2010 seguiu o mesmo princípio das edições anteriores, ou seja, procuramos reunir no evento bandas mais conhecidas na cena com bandas mais novas, mas com bastante qualidade. Também encaixamos na 4ª edição uma banda cover (Dio Tribute), pois achamos que a inclusão de uma boa banda cover acaba enriquecendo o evento.
Q.: Como foram as negociações para trazer o Paul Di’Anno em Pouso Alegre?
R.: A vinda de Paul Di’Anno para Pouso Alegre já estava acertada bem antes da organização da 4ª edição do festival se iniciar. O produtor paulista Marcel Castro foi quem contratou Paul Di’anno e sua banda de apoio (Scelerata) para se apresentar em Pouso Alegre em Agosto. O que houve foi que Marcel, ao tomar conhecimento do Triumph e de suas edições já realizadas, acabou simpatizando-se com o festival, acreditando no nosso trabalho e dessa forma firmamos uma parceria com ele no sentido de transformar a vinda de Paul Di’anno à Pouso Alegre, numa 4ª edição Triumph of Metal. Assim, no final de junho de 2010 começamos a organizar o evento em conjunto.
Q.: O que vocês acharam do Paul Di’Anno como pessoa e como avaliariam a apresentação dele?  
R.: Olha, é do conhecimento de todos que acompanham a história da banda Iron Maiden que Paul Di’anno é uma pessoa polêmica e de personalidade forte. Além disso, ele está com 53 anos e imagino que não deve ser nada fácil pra ele levar essa vida na estrada, com mais de 100 shows por ano. Contudo, aqui em Pouso Alegre, apesar de um atraso dele e de sua banda para subirem no palco, Paul se mostrou uma pessoa tranquila e atenciosa com os fãs (que ele atendeu após sua apresentação).
Com relação a sua apresentação, eu acho que foi um ótimo show de Heavy Metal. Paul, ainda pode ser considerado um competente vocalista do estilo e a apresentação durou quase duas horas, sendo que o show de Pouso Alegre registrou o 2º maior público de toda tour nacional dele!
Remember Tomorrow - Pouso Alegre durante o 4º Triumph of Metal:
  
                                          
Q.: Quanto ao público do Triumph of Metal de 2010, o que vocês tem a dizer?
R.: Só temos coisas boas pra falar do público da 4ª edição do evento. Além da presença da galera de Pouso Alegre, recebemos excursões de muitas localidades do sul de Minas e algumas do estado de São Paulo.
Muitas pessoas também vieram de carro ou ônibus de vários pontos da região sudeste e até de fora dela. Aliás, em todas as edições do Triumph o público sempre foi um show à parte!
Gostaria de aproveitar o espaço aqui e agradecer a todos os headbangers que já compareceram nos eventos e também pedir desculpas pra eles por alguma falha que já ocorreu.
Q.: Como vocês vêem o cenário Rock/Metal atual da nossa região (sul de minas)?
R.: O sul de Minas é foda! Sentimos orgulho de morarmos nessa região de Minas e de alguma forma contribuir para o crescimento da cena.
Existem ótimas bandas aqui, de todos os estilos, várias cidades também organizam seus eventos que crescem e se aperfeiçoam a cada edição.
Acredito que estamos vivendo atualmente, no sul de Minas, um dos seus melhores momentos no que diz respeito ao Rock/Metal. Também creio que o sul de Minas possui hoje uma das cenas undergrounds mais fortes e atuantes de todo o Brasil.
A galera tem apoiado em peso os eventos e bandas e isso é muito legal! Prova disso é que a agenda da região continua cheia, e festivais muito legais estão pra rolar já nas próximas semanas/meses por aqui: 2º Rock in Hill (Bueno Brandão), Delirious Rock (Varginha), Kebra Ossos V (Poços de Caldas), CHCM III (Cambuí), 3º Heavy Metal Thunder Fest (Pouso Alegre – que agente também organiza) e outros...
Q.: Por que houve um grande intervalo entre a 3ª e 4ª edição do festival?
R.: Realmente houve um intervalo muito grande entre a 3ª e a 4ª edição.
Isso se deve a vários motivos: falta de tempo, compromissos com família, trabalho, estudos... Mas o principal motivo é a grande dificuldade de se obter apoio e firmar parcerias. Nesse ano de 2010, acabamos conseguindo firmar uma parceria com Marcel Castro e, enfim, reativar o festival.
Q.: Podemos esperar para um futuro próximo a 5ª edição? Se sim, o que podemos esperar dela?
R.: Nossa vontade é de transformar o Triumph of Metal num evento anual, integrante da agenda cultural da cidade de Pouso Alegre. Nesse momento estamos trabalhando na elaboração de projetos para serem inscritos nas Leis Municipal e Estadual de incentivo à cultura, com o objetivo de conseguirmos patrocínios a altura de uma próxima edição. Se tudo der certo deveremos ter já no ano que vem, a 5ª edição do festival, com nomes importantes do metal nacional, com novas promessas da cena e talvez uma atração internacional como na edição de 2010.
Q.: Como está sendo a repercussão da 4ª edição do festival por ter trazido um nome de peso, como o do Paul Di’Anno?
R.: A repercussão da 4ª edição tem sido muito boa e até surpreendente pra nós. Como é do conhecimento de muitos, tivemos alguns imprevistos e atrasos no início do evento (o que levou ao fato de 2 bandas não se apresentarem, infelizmente), mas parece que as pessoas entenderam/compreenderam o ocorrido. Também devemos destacar que os 5 shows que rolaram foram bem legais. Além da marcante apresentação de Paul Di’anno, as bandas Chakal (lendária banda do Thrash Metal nacional), Evil Eyes (Dio Tribute) e Silent Hall também fizeram ótimas apresentações, deixando uma impressão muito boa nos presentes.  
Q.: Quem vocês gostariam de trazer pra região sul mineira nas próximas edições?
R.: Olha, tem muitas bandas legais do Brasil que somos fãs e que gostaríamos de convidar para participar das próximas edições. O Viper de São Paulo e o Overdose de Belo Horizonte seriam dois ótimos nomes para integrar o cast de uma futura edição, mas me parece que essas bandas estão paradas atualmente. Mas com certeza numa próxima edição do festival deveremos contar com um ‘cast’ de bastante qualidade, com bandas dos mais variados estilos (dentro do Metal).
Q.: As outras edições do festival também foram em parte beneficentes como nessa 4ª edição?
R.: Sim, desde a primeira edição sempre nos preocupamos com o lado social. Nessa 4ª edição conseguimos arrecadar cerca de ½ tonelada de alimentos que foram doados para instituições filantrópicas locais. Além de ajudar a quem precisa, achamos legal vincular o Rock/Metal a causas sociais, pois isso acaba ajudando a nos fortalecer perante a sociedade. Sociedade esta que quase sempre tem uma idéia preconceituosa e distorcida dos eventos, bandas e dos bangers.
Q.: Obrigado pela entrevista. Se quiserem, deixem uma mensagem ao público.
R.: Eu que agradeço a vocês do Quimeras - Metal Blog  pelo espaço e atenção. O canal do evento no YouTube (www.youtube.com/triumphofmetal) possui vários vídeos da 1ª e 3ª edição do Triumph of Metal e em breve vamos disponibilizar vídeos da 2ª edição e vários da 4ª de 2010. Gostaria de mandar um abraço pra todos que sempre apoiaram os eventos: headbangers, patrocinadores, apoiadores, imprensa.... Valeu!
Headbangers, continuem apoiando as bandas e os eventos.
Vida longa ao Metal!
By Harumi
Queremos agradecer imensamente ao Rodrigo e aos demais organizadores por estarem na luta pelo reconhecimento e fortalecimento do Metal em nosso país e parabenizá-los pelo excelente festival!
Confira algumas fotos do Triumph of Metal 2010:
 Silent Hall

Scelerata

Paul Di'Anno

Chakal

Evil Eyes (Dio cover)



Triumph of Metal 2010

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Black Sabbath III

DISCOGRAFIA:









Em 1970 o Black sabbath entra em estúdio para gravar seu primeiro álbum, o homônimo, Black Sabbath:









Lançamento: 13 de fevereiro de 1970
Formação: Ozzy (vocal), Tony Iommi (guitarra), Geezer Butler (Baixo), Bill Ward (Bateria)









Faixas: Black sabbath, the wizard, behind the wall of sleep, N.I.B., Evil Woman, Sleeping Village, Warning

Black Sabbath, o álbum foi gravado em apenas três dias no Regent Sounds Studios em Londres (Ing). A gravação foi feita praticamente ao vivo, sendo apenas incluídos mais tarde os efeitos (sinos, chuva, etc), sendo estes idéia do produtor Rodger Bain.


A foto da capa foi tirada em frente a um antigo moinho nas redondezas de Londres, e interessante que ninguém, nem mesmo os integrantes da banda ou o próprio fotógrafo (Marcus Keef) sabem ao certo quem era a modelo da capa, ela é tão misteriosa na vida real quanto na foto do álbum.


-.-✣-.-

Paranoid:











Lançamento: 18 de setembro de 1970

Formação: Ozzy (vocal), Tony Iommi (guitarra), Geezer Butler(Baixo), BillWard(Bateria)
Faixas: War Pigs, Paranoid, Planet Caravan, Iron Man, Eletric Funeral, Hand of Doom, Rat Salad, Fairies Wear Boots.
Novamente gravado no Regent Sound Studios e com a produção de Rodger Bain.
Curiosidade: no dia da gravação Bill Ward estava com a perna esquerda quebrada, ele supostamente havia caído de um poste... 
Imagine a cena:
Banda: Bill você está machucado! o que aconteceu?

Bill: é bem... eu estava pendurado num poste ...e...e ...eu cai sabe... mas calma! eu prometo que dou um jeito de gravar o álbum...

e ele fez algumas adaptações na bateria e deu conta de gravar mesmo assim!!! 
Paranoid é considerado um dos álbuns de maior sucesso do Black Sabbath, foi com ele que estouraram definitivamente nos Estados Unidos. 



-.-✣-.-










Masters of Reality:








Lançamento: 21 de julho de 1971
Formação: Ozzy(vocal), Iommi (guitarra), Butler (baixo) e Ward(Bateria)
Faixas: Swwet Leaf, After Forever, Embryo, Childrem of the Grave, Orchid, Lord of this World, Solitude, Into the Void.




-.-✣-.-

















Black Sabbath, Vol. 4:


















Lançamento25 de setembro de 1972

Formação: Ozzy (vocal), Iommi (guitarra), Butler (Baixo), Ward (Bateria)
Faixas: Wheels of Confusion, Tomorrow`s Dream, Changes, FX,
Supernalt, Snowblind, Cornucopia, Laguna Sunrise, St. Vitu`s Dance, Under the Sun.




-.-✣-.-
Sabbath Bloody Sabbath:















Lançamento: 1 de dezembro de 1973
Formação: Ozzy (vocal), Iommi (guitarra), Butler (Baixo), Ward bateria). +Participação especial de Rick Wakeman (teclado - Yes) nas faixas Sabra Cadabra e Who are you.
Faixas:
Sabbath Bloody Sabbath, A National Acrobat, Fluff, Sabra Cadabra, Killing Yourself to Live, Who are you, Looking for today, Spiral Architect.
Sabbath Bloody Sabbath foi o primeiro álbum que o BS teve alguma demora pra gravar. Isso por que no final de 1973 eles estavam esgotados pelas longas viagens, abuso de drogas, etc...
Alugaram então o Castelo Clearwell, localizado na Floresta de Dean na Inglaterra. Abanda aproveitou a tranqüilidade do castelo para descansar e compor. Ozzy também aproveitou as histórias de assombração do castelo para pregar muitas peças no resto da banda e na equipe. O resultado, um dos álbuns mais sombrios do sabbath.
Pra completar,a capa foi criada pelo artista Drew Struzan, na imagem ele retratou um pesadelo no qual era atacado por demônios. A comtracapa do disco veio com a imagem oposta:















-.-✣-.-







Sabotage:








Lançamento: 28 de julho de 1975.


formação: Tony (guitarra), Ozzy(vocal), Geezer(Baixo), Ward (bateria)


Faixas: 












Don’t start (too late), Sympton of the Universe, Megalomania, The Thrill of it all, Superstar, Am I going insane, The Writ.









Sabotage é o álbum em que mais aparecem as influências de rock progressivo na música da banda até então, mas de forma alguma isso significa que sabotage seja menos pesado que os álbuns anteriores, pelo contrário. A música Sympton of the universe é considerada por muitos a raiz do que viria a ser o Thrash Metal!


-.-✣-.-

We sold our soul for Rock'n Roll:


Compilação, lançada em 1975 com as faixas:
The wizard, warning, paranoid, war pigs, Iron man, Wicked World, tomorrows dream, Fairies wear boots, Changes, Sweet leaf, Childrem of the grave, Sabbath Bloody sabbath,Na I going Insane, Laguna Sunrise, Snow Blind, NIB.




-.-✣-.-
Technical Ecstasy:
Lançamento: 25 de setembro de 1976.












Formação: Ozzy (vocal), Iommi (guitarra), Butler (Baixo), Ward (Bateria).
Faixas: BLack Street kids, you won’t change me, its allright, gypsy, all moving parts (stand still), Rock’n’Roll doctor, She’s Gone, Dirty women.


No início de 1977 Ozzy sai do Black Sabbath por diferenças musicais. Diferente do resto da banda Ozzy não era nem um pouco fã de música progressiva ou jazz, ao notar que a banda seguia cada vez mais neste rumo, resolvel deixar a banda.
Para o lugar de Ozzy é chamado Dave walker (ex-fleetwood Mac) que chegou a compor material para um próximo álbum. Ainda naquele ano Ozzy acaba voltando ao BS, mas o novo disco demora um pouco pra sair uma vez que Ozzy se recusa a gravar qualquer material composto com Dave Walker.


-.-✣-.-

Never Say Die:


Lançamento:  28 de setembro de 1978.












Formação: Ozzy (vocal), Iommi (guitarra), Butler (Baixo), Ward (Bateria)
e infelizmente o último com Ozzy nos vocais (até o momento espero...). 

Faixas: Never Say Die, Johnny Blade, Junior's Eyes, A Hard Road, Shock Wave, Air Dance, Over to You, Breakout, Swinging the Chain.


A turnê de Never say Die foi uma das fases mais difíceis para a banda. Embora a reação do público tivesse sido boa em relação ao álbum, as coisas internamente não iam bem. 
A banda fazia jams e improvisações imensas antes dos shows, o que deixava Ozzy super irritado. Ele detestava profundamente as viagens jazzísticas de Iommi, para ele o Black Sabbath era uma banda de rock, era rock que ele queria tocar.
O clima entre Ozzy e Iommi foi piorando a cada show, e a turnê foi interrompida após Ozzy não comparecer a um show. 
Após isso ele foi demitido e partiu para carreira solo, embora provavelmente ele fosse fazer isso de um jeito ou de outro.
Para o lugar de Ozzy foi chamado Ronnie James Dio, que havia acabado de deixar o Rainbow.
Geezer Butler deixa a banda por uns tempos e para seu posto é chamado Geoff Nicholls.
Durante a curta saída de Geezer, Dio acaba se mostrando um ótimo compositor e quando, antes do álbum ser gravado Geezer volta para a banda eles já tinham material de sobra para o novo álbum.


-.-✣-.-

Heaven and Hell:


Lançamento: 25 de abril de 1980.


Formação: Dio (vocal), Iommi (guitarra), Geezer Butler (Baixo), Ward (bateria) e Geoff Nicholls (que passou para os teclados com a volta de Butler).


Faixas: Neon Knights, Childrem of the sea, lady evil, heaven and hell, wishing well, die young, walk away, lonely is the world.


Quando o Black Sabbath lançou Heaven and Hell, logo ficou claro que aquela era uma nova banda. Totalmente diferente do Black Sabbath com Ozzy.
Muitos amaram e muitos odiaram. Sim, o black sabbath estava não só diferente no vocal como também na temática e na sonoridade (agora muito mais próxima ao NWOBHM). Muito disso porque quem escreveu a maioria das letras e compôs foi Dio, já que Geezer Butler que era o principal letrista da banda havia se afastado por uns tempos.
Naquela época eles não podiam imaginar, mas realmente o Black Sabbath com Dio acabou adotando o nome de Heaven and Hell anos mais tarde e se tornando assim uma nova banda ao mesmo tempo que ainda eram o Black Sabbath!
A turnê foi muito boa, e a nova sonoridade, apesar de afastar alguns fãs mais conservadores atraiu muitos novos fãs para a banda. Infelizmente Bill Ward acabou tendo que deixar a banda no meio da turnê por problemas de saúde e também problemas pessoais. Para a bateria foi chamado Vinnie Appice (ex-Derringer).

Black Sabbath com Dio


-.-✣-.-

Mob Rules:


Lançamento: 4 de novembro de 1981.
Formação: Dio(vocal), Iommi (guitarra), Geezer (baixo) e Vinny Appice (bateria).



















Faixas: turn up the night, voodoo, the sign of the southern cross, E5150, the mob rules, Country Girl, Slipping away, Falling of the edge of the world, over and over.

A banda saiu em turnê conjunta com o Blue öyster cult, que resultou na turnê Black and Blue joint tour.
Após Mob rules a banda decide lançar uma coletânea ao vivo (live evil) e durante as gravações Dio acaba se desentendendo com Geezer e Iommi e deixa a banda levando Appice com ele para a futura banda solo de DIO.
















-.-✣-.-













 Live Evil:



















-.-✣-.-













 Born Again:
















E lá estava o Black Sabbath novamente sem vocalista... felizmente na época Ian Gillan estava disponível e Bill Ward acabou voltando para a gravação do álbum.

(Black Sabbath com Ian Gillan)

Lançamento: 7 de agosto de 1983.


Formação: Ian Gillan (vocal), Iommi(guitarra), Butler (baixo), Ward(bateria - que foi substituído durante a turnê por Bev Bevan).


Faixas: Trashed, stonehenge, disturbing the priest, The dark, zero the hero, Digital Bitch, Born again, hot line, keep it warm.

A reação dos fãs em relação à born again pegou a banda de surpresa, pois até os fãs mais loucos por Ozzy aprovaram Ian Gillan na banda.
Infelizmente ele não aceitou continuar para o próximo cd, Bev Bevan também deixa a banda e novamente o BS fica sem vocalista e baterista.


-.-✣-.-

Seventh Star:


Desanimado Geezer Butler decide dar um tempo com o BS e Iommi que não queria ficar parado resolve lançar um disco solo.
Quem não gostou dessa história foi a gravadora, que achou que um cd solo de Iommi não fosse vender nem a metade do que um novo do Black Sabbath. As músicas que Iommi compôs para seu cd solo acabaram sendo lançadas como o novo do Black sabbath, que se chamou seventh star.

(Black Sabbath em 1986)

Lançamento: 28 de fevereiro de 1986.


Faixas:In for the kill, No stranger to love, turn to stone, sphinx (the guardian), Seventh star, Danger zone, Heart like a wheel, Angry heart, in memory.


Formação: Iommi (guitarra), Glenn Hughes (vocal), Geoff Nicholls (teclados), Dave Spitz (baixo), Eric singer (bateria), Gordon Copley (baixo em Strangers to love).


-.-✣-.-

The Eternal Idol:


Glen Hughes deixa o Black sabbath durante a turnê, para o vocal chamam o até então desconhecido Tony Martin. Os créditos no CD ficaram meio estranhos (Bev Bevan por exemplo ninguém sabe direito se fez alguma coisa ou não e Dave Spitz também parece não ter participado do álbum realmente).


Formação: Iommi (guitarra), Tony Martin(vocal), Dave Spitz e Bob Daisley (baixo), Eric Singer (bateria), Bev Bevan (percussão) e Geoff Nicholls (teclados).


Faixas: The shining, Ancient Warrior, Hard life to love, Glory Ride, Born to Lose, Nightmare, Scarlet pimpernel, Lost forever, Eternal Idol, Some kind of woman, Black moon.



(A banda com Tony Martin no vocal)


-.-✣-.-

Headless Cross:


Lançamento: 1 de abril de 1989.

Formação: Iommi (guitarra), Tony martin (vocal), Geoff Nicholls (teclados), Laurence Cootle(baixo), Cozy Powell(bateria), Brian May (participação especialíssima em When death calls).

Faixas: The gates of hell, headless cross, Devil and Daughter, When death calls, Kill in the spirit world, Call of the wind, black moon, nightwing, Cloak & Dagger.


-.-✣-.-


TYR:


Lançamento: 20 de agosto de 1990.

Formação: Iommi (guitarra), Tony martin (vocal), Cozy Powell (bateria), Neil Murray (baixo), geoff Nicholls (teclados).

Faixas: Anno Mundi, Law maker, Jerusalem, The sabbath Stones, the battle of tyr, Odin's Court, valhalla, Feels good to me, Heaven in Black.


-.-✣-.-

Dehumanizer

Lançamento: 22 de junho de 1992.
Formação: Dio (vocal), Iommi (guitarra), Butler (baixo), Appice(Bateria), Geoff Nicholls (teclados).
Faixas: Computer God, After all (the dead), TV crimes, Letters to the Earth, Master of insanity, Time Machine, Sins of the father, Too late, I, Buried alive, Time machine.

Dehumanizer marca a volta de Gezzer Butler, Ronnie James Dio e Vinnie Appice ao BS.
É considerado por muitos fãs como um dos melhores discos da banda e com certeza um dos mais pesados também.



A banda acaba planejando uma reunião  com todos os membros que deveria render um álbum e uma turnê, mas por um (ou vários) desentendimentos entre o Ozzy e Dio acaba não dando certo e em 1992 Dio se recusa a dividir o palco com Ozzy deixando o Black Sabbath. 


-.-✣-.-




Cross Purposes:












Lançamento: 31 de janeiro de 1994.







Faixas: I witness, cross of thorns, Psychophobia, virtual death, Immaculate deception, Dying for love, Back to eden, The hand thath rocks the cradle, cardinal sin, evil eye, whats the use (faixa bônus - lançada apenas na versão japonesa).

Em cross purposes Tony Martin volta para o vocal do Black Sabbath e para a bateria eles chamam Bob Rondinelli.


-.-✣-.-
Cross Purposes - Live:


Gravado no Hammermith Odeon em Londres em 1994 e lançado no dia 5 de março de 1995, esse é o único registro ao vivo com Tony martin nos vocais. Atualmente raríssimo.


-.-✣-.-

Forbidden:


 Formação: Tony Martin (vocal), Iommi (baixo), Neil Murray (baixo), Cozy Powell (bateria), Geoff Nicholls (teclados), Ice T (vocal em Illusion of power).

Faixas: the Illusion of power, Get a trip, Can't get close enough, Shaking off the chains, I won't cry for you, Guilty as hell, Sick and tired, Rusty angels, Forbidden, Kiss of death.


-.-✣-.-

The Sabbath Stones 
coletânea (lançada em 29 de abril de 1996):



-.-✣-.-

Reunion
álbum duplo ao vivo com a formação original!
lançado em 20 de outubro de 1998:



-.-✣-.-

Past Lives
álbum duplo ao vivo gravado em 2002:


-.-✣-.-

Symptom of the Universe: The Original Black Sabbath 1970–1978

álbum gravado em outubro de 2002. Versões remasterizadas de clássicos do início da banda.

Black Box: The Complete Original Black Sabbath


Box contendo os álbuns de estúdio até 1978



Greatest Hits 1970-1978 (Black Sabbath)



The Dio Years 
(coletânea)



Live at Hammersmith Odeon

esse álbum foi gravado em Londres durante a turnê de Mob Rules e contém algumas das músicas de maior sucesso da banda.

The rules of Hell

Último álbum oficial lançado sobre o nome Black Sabbath
Em 2006 Iommi, Geezer, Dio e Appice se unem novamente sob o nome Heaven and Hell e...
 Até o próximo post, espero que tenham curtido este, adorei escreve-lo! 



By Youkai