terça-feira, 13 de dezembro de 2011

R.I.P. - Chuck Schuldiner


  ★ 13 de maio de 1967 
           ✥ 13 de dezembro de 2001
R.I.P.



Hoje,  13 de dezembro de 2011, fazem exatamente 10 anos que o metal extremo perdeu um de seus músicos mais marcantes e criativos.

Falar de Chuck Schuldiner é falar de Death Metal... Embora ele próprio detestasse ficar preso a rótulos e sempre desse os créditos da criação do Death Metal ao Possessed, Chuck o responsável por uma grande parte da formação do estilo, sendo que foi o primeiro a usar elementos de Jazz e a tornar as composições mais técnicas.
O Death também foi o primeiro grupo que tocava 100% Death Metal, sendo portanto muito justificado o título de pai do Death Metal.

Um músico considerado por muitos extremamente perfeccionista, Chuck nunca se acomodou no sucesso dos seus primeiros álbuns, evoluindo a cada álbum em técnica e temática, a banda apresentava a cada lançamento uma nova forma de música pesada, nunca perdendo a sua identidade e autenticidade.

Além do Death (que inicialmente se chamava Mantas), Chuck participou também do Slaugther (Can), do projeto Voodoo Cult e fundou o Control Denied, que infelizmente teve sua carreira interrompida devido ao seu falecimento.

Chuck lutou durante dois anos contra um tumor cerebral, e nessa época surpreendeu a todos pela sua garra e perseverança. Em 2001 contraiu pneumonia e não resistiu, deixando seus admiradores sem palavras para descrever a sua falta...
Grande influência para guitarristas de metal, Chuck deixou um grande legado, que jamais será esquecido.


O principal memorial de Chuck Schuldiner é o site Empty Words (quem curte o trabalho de Chuck vale a pena conferir): 





 By Youkai

Aí vão mais algumas fotos: 





domingo, 11 de dezembro de 2011

Festival Rock in Hill - 2011


No dia 26 de Novembro de 2011 o dia e a noite foram de muito Rock n' Roll e Heavy Metal em Bueno Brandão - MG, no festival Rock in Hill! 



Os organizadores do evento Rock in Hill JuJu à esquerda e Geléia a direita



Há três anos atrás a minúscula cidade de Bueno Brandão, localizada no sul do estado de Minas Gerais entrou para a rota dos headbangers da região através do festival Rock in Hill idealizado pelos grandes amigos Eric Salles e José Carlos, mais conhecidos como Geléia e JuJu. 






O horário previsto para o início do evento era às 18:00; cerca de uma hora depois e com um púbico crescente adentrando o sítio, a primeira banda sobe ao palco. O Crucified By System, que é uma banda recente da cidade. Formada por Fábio Guizi (vocais), Michel Ribeiro (bateria), Ítalo A. Xavier (baixo) e Emerson Guimarães (guitarra). Chamaram a atenção dos presentes pelo jeito descontraído com covers de Ramones, Matanza, Judas Priest e Ratos de Porão. A banda cumpriu muito bem o seu papel!

Banda Crucified By System de Bueno Brandão - MG no Rock in Hill (26/11/2011)

Minutos depois, o Muthafuckers de Socorro (SP) aqueceram ainda mais o público mandando vários covers de Classic Rock e Metal.Visualmente a banda é bem diversificada, cada integrante com seu estilo particular. O guitarrista Otavio Daniel's é bem performático. Completam a formação o vocalista Mario Pares (que possui um timbre bem legal), o baixista Julio Bonan e o baterista Peter.
Banda Muthafuckers de Socorro - SP no Rock in Hill (26/11/2011)

O Hardcore ou nas palavras da própria banda "Hardcore Bruto Das Montanhas" também teve sua vez, o Tumbero de Cambuí (MG) deu um clima diferente ao evento e renovou as energias do lugar. Interessados corram atrás do primeiro EP "Toscore"! Enfim, mandam muito bem no gênero.

Bando Tumbero de Cambuí - MG no Rock in Hill (26/11/2011)

Após o Tumbero, um certo período de espera pelos mais aguardados da noite. Em volta do palco já não se via o chão de tantas pessoas ali presentes. Desde 1982 o Garotos Podres com seu Punk raivoso detonam tudo e todos! Como imagens falam mais que palavras...


Depois deste vídeo gravado pela equipe do PORTAL ROCK NOW  nem é preciso dizer o quanto foi intensa a apresentação do Garotos Podres!


Boa parcela do público estava ansioso pela apresentação mais extrema deste Rock in Hill e quem não sabia do que se tratava logo percebeu a empolgação destes.
O Death Metal brutal do Exhortation, com vocal gutural feminino foi o responsável por massacrar pescoços! A banda foi formada no interior de São Paulo, mas a vocalista Aline Lodi é nascida na cidade de Bueno Brandão. O que causou extrema curiosidade em parte da população local.
Mais uma vez não se via sequer o chão em volta do palco. O show foi composto pelas composições do recém lançado "The Essence Of Apocalypse" e a postura da banda ao vivo é magnífica. Com certeza a melhor banda do festival!

Banda Exhortation de Capivari - SP no Rock in Hill (26/11/2011)

E a madrugada ainda reservava uma grande surpresa. A Setfire de Mauá - SP é mais uma prova da qualidade do underground nacional.
A banda surgiu no ano de 2009 e possui um EP lançado, o "Deserted Land" de 2010. Que impressiona pela qualidade das composições e riffs. Todas as 4 faixas autorais (Nordeste, Revolution Of Machines, Social Bomb e Envy Shit) são pra banguear mesmo; já aposto muito nessa banda pra sacudir a cena. Pra completar as apresentações costumam mandar covers de Pantera e Sepultura, que claro, acerta em cheio o público.

Banda Setfire de Mauá - SP no Rock in Hill (26/11/2011)




Um dos diferenciais do evento é que ele sempre foi realizado em um pequeno e simpático sítio de fácil localização; contando com área coberta e ao ar livre, barzinho, estacionamento e stand com produtos para o público alternativo.

O Rock in Hill já está consolidado, crescendo absurdamente, dando espaço às bandas autorais e sempre ajudando as instituições do município.
Só nos resta aguardar a edição de 2012!


By Harumi

Mais Fotos:

EXHORTATION

GAROTOS PODRES
TUMBERO
MUTHAFUCKERS
CRUCIFIED BY SYSTEM
SETFIRE



*Quer a sua banda na próxima edição do festival? Entre em contato pelos seguintes links:









domingo, 4 de dezembro de 2011

FESTIVAL: Rock Nas Alturas


Estamos em Dezembro, mas o ano ainda não acabou! Dia 10 deste mês ainda reserva muita diversão e Rock n' Roll com o festival Rock Nas Alturas que acontece na cidade sul mineira de Maria da Fé, os responsáveis são Ulysses Caetano Braga, Márcio Barbosa e Oswaldo Júnior.


Esta será a segunda edição do festival e já traz nomes de relevância do Metal Nacional (ponto para os organizadores!) como Spreading Hate, Pleiades e Red Front; que inclusive já foi matéria aqui no blog. E tem mais ótimas atrações: Children Of The Beast (cover oficial do Iron Maiden na América Latina), Red n' Black e Maryland.
O Rock Nas Alturas também está tentando um resgate da cultura Rock n' Roll nas pequenas e pacatas cidades de Minas Gerais. E além disso cumpre seu papel social, com doações de alimentos para a Instituição APAE do município.


SPREADING HATE:


PLEIADES:
  
RED FRONT:

CHILDREN OF THE BEAST:


RED N' BLACK: 


MARYLAND:








Maiores informações:

Ingressos: R$15,00 (antecipado) + 1kg de alimento não perecível
Onde comprar: Maria da Fé (MG) - LANCHE & CIA, tel.: (35) 3662-1117

Itajubá (MG) - CONVICSOM, tel.:  (35) 3621-3333

Pedralva (MG) - Danilo Abreu, tel.: (35) 9829-0585

                   Pouso Alegre (MG) - Clívio (Red n' Black), tel.: (35) 8444-7222
Local: Nevada Clube 
Horário: à partir das 19:00 horas
Data: 10 de Dezembro de 2011







By Harumi
  

sábado, 3 de dezembro de 2011

Nightwish - Imaginaerum




Depois de alguns anos o Nightwish lança, sem dúvida alguma, o melhor álbum da carreira. A genialidade do tecladista Tuomas Holopainen nunca falou tão alto. Depois de muitas pessoas criticarem (injustamente) o álbum anterior "Dark Passion Play" que apresentou uma das melhores músicas da banda "The Poet and the Pendulum", Tuomas não perdeu a pose e trouxe desta vez, mais que um álbum; Uma viagem audiovisual cheia de viradas cinematográficas chamada "Imaginaerum".



A primeira faixa Taikatalvi é um prólogo dentro de uma caixinha de música na voz de Marco Hietala em finlandês. Existe alguém que não gosta do Marco? Não conheço por enquanto. É impressionante o que sua entrada no Nightwish proporcionou de criatividade quanto a novos elementos sonoros à banda. Sentem nos seus lugares e peguem a pipoca, Imaginaerum acaba de começar.

A segunda faixa já conhecida pelo público, é a Storytime. Se você conhece os trabalhos anteriores da banda perceberá que Tuomas traz referências e elementos de álbuns anteriores. As partes instrumentais durante o álbum apresentam em vários momentos características do Wishmaster, Century Child, Once e até mesmo do próprio Dark Passion Play. Com um refrão bem gostoso de se ouvir, Storytime foi muito bem utilizada como single e representa muito bem o álbum.





A terceira faixa "Ghost River" é uma das faixas mais originais   não só do Nightwish, mas dentro desse gênero músical. Com um riff de guitarra de muito bom gosto, passagens quebradas, orquestra impecável, a voz da Anete doce e dissonante ao mesmo tempo e o Marco com uma voz mais grave que de costume dão uma cara muito diferente para a banda. São poucas as bandas que conseguiriam compor uma música dessas. Não bastasse isso o Tuomas ainda traz um coral de crianças que faz um envolvente dueto com Marco no refrão. Uma faixa surpreendente.

"Slow Love Slow" apresenta-se como quarta faixa e aproveito seu título para alertar: Vá devagar. Após a surpreendente "Ghost River", Tuomas apresenta um jazz com direito a um solo de guitarra super clean e metais (refiro-me aos intrumentos). Uma super balada.

A quinta faixa, "I want my tears Back" apresenta os vocais de Marco e Anete em um estilo de composição que vem dando certo desde "Dead to the world - Century Child"; A novidade são as gaitas de fole e as palmas no meio da música. Uma música bastante divertida e muito animada, algo muito novo no Nightwish que costuma sempre trazer elementos melancólicos.

A sexta faixa é a "Scaretale" que traz o sinistro coral de crianças mais uma vez. É como se fosse introdução de um filme da Disney. Anete interpreta uma voz irônica e infantil durante boa parte da música e na metade há uma reviravolta circense com Marco apresentando um espetáculo. Realmente parece um filme. Uma faixa extremamente ousada por parte da banda. Interessante lembrar que todos os instrumentos e vozes são muito bem explorados neste álbum.


Em sétimo lugar temos a instrumental "Arabesque", que apresenta um bom conjunto de percussões e uma pegada de trilha sonora que faz te sentir no meio da selva, muito gostosa de se ouvir.

Logo depois em oitavo lugar, "Turn loose the Mermaids" fez-me lembrar de algumas baladinhas do "Blackmore's Night". A música feita para a voz da Anete cai docemente aos ouvidos e o envolve rapidamente em seus breves 4 minutos. Para os que gostaram de "The Islander" e "The Last of the wilds" do álbum anterior, gostaram dessa com certeza.

Na faixa número nove, "Rest Calm", Anete mostra mais uma vez que Tuomas não estava errado quando chamou-a para cantar no Nightwish. Mais uma música de estrutura diferenciada, 7 minutos de algumas viradas, hora pesadas, hora melódicas, hora bem leves e limpas. Um bom solo de guitarra (aliás, Emppu apareceu muito bem no CD). O coral de crianças aparece ao final cantando o refrão com Anete e Marco. Uma faixa de muito bom gosto, sem exageros e relativamente grande.

Faixa número 10, "The Crow, the Owl and The Dove". Tuomas mostra que seu leque de baladas é infindável. Mais uma balada muito bem acertada. Os vocais de Marco e Anete são muito bem utilizados mais uma vez. Aliás um ponto muito forte desse álbum: Tuomas optou por ser mais simples em vários momentos e aproveitou muito bem cada elemento da banda e fazendo praticamente 80 minutos passarem como se não fossem muita coisa.


Na faixa 11, "Last Ride of the Day" temos o peso de volta. A dramaticidade na voz da Anete, o refrão, os corais, o solo de guitarra do Emppu que finalmente apareceu sem timidez. O refrão a la Rhapsody of Fire, vai dar muito certo ao vivo e propor momentos bastante marcantes em um album que que será muito difícil ser apresentado na íntegra. Há mais arranjos neste álbum do que em todos os outros. É de fato uma viagem cinematográfica e isso vai dar um trabalho e tanto ao vivo.

Na faixa 12, "Song of Myself" Tuomas repete a estrutura de álbuns anteriores e deixa uma grande música para o Grand Finale. Uma coisa para se dizer sobre o álbum: Você não encontrará faixas pesadas como "Master Passion Greed", "Slaying the Dreamer", "Planet Hell", entre outras. O álbum, por ser uma trilha sonora de fato, apresenta muito mais passagens atmosféricas e cheias de sentimetos muitas vezes hiper carregados e tensos, mas sobretudo mágicos. "Song of Myself" traz a voz de Anete pela última vez no álbum com Marco nos backing vocals e um coral muito marcante com pegadas orquestrais bastante ritmicas e foi tão bem produzida que não parece pesada mesmo com a estupidez de Jukka e Emppu entre os 4 e 6 min da música. (importante lembrar também que Jukka esteve impecável na percussão). Ao final da música há um diálogo e várias passagens atmosféricas bem delicadas e inspiradoras e assim a música segue como se caminhasse para a sansão, conclusão de uma história.

Última faixa: Imaginaerum. Uma faixa instrumental que poderia ser a primeira ou a última do álbum. Com orquestra do começo ao fim, a faixa traz trechos do álbum inteiro em uma única musica e ao lado de Storytime é a faixa que apresenta o álbum.

Muitas bandas trabalham com esse estilo de música, mas Tuomas além de um ótimo músico, é um incrível storyteller que sabe contar algo original que provoque uma reflexão e não seja clichê como outras bandas que insistem no estilo de maneira superficial. Não há mais comparações, o Nightwish de hoje corre por fora.






Nota 10 para Anete, Tuomas, Marco e à banda como um todo por trabalhar como uma equipe de fato.





É isso ae! Keep rocking! Abraços!

Felipe Hänsell

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Exhortation




A grande amizade entre Aline Lodi (vocal) e Renato de Luccas (guitarra) fez em 2005, na cidade de Capivari –SP nascer o que viria a ser o Exhortation; inicialmente a banda se chamava Selective Suicide e de um certo modo ainda estava se encontrando, se definindo.

A banda tomou forma em si no ano seguinte (2006) com a entrada do baterista Billy Dark Machine e do baixista Rodrigo Dalla Piazza.

Um EP titulado com o antigo nome da banda “Selective Suicide” foi lançado em 2007, de forma caseira e independente. A divulgação ficou mais por conta dos próprios músicos através da internet. Essa divulgação mais virtual vingou, pois naquelas duas únicas faixas do EP, já se notava todo o potencial destruidor da banda!


*Faça o download do EP "Selective Suicide" aqui no blog Metal Brasileiro Underground


Não demorou muito para começarem a se apresentar com destaque em vários festivais, principalmente no estado de SP.
Em 2008 e 2009 a banda deu uma parada nas apresentações, focando-se mais em produzir seu primeiro álbum (que aquela altura já vinha sendo pedido por muita gente). Inicialmente o primeiro álbum estava previsto para sair em 2010. Vários contratempos impediram que isso acontecesse; mas acredito que esse atraso só fez a banda ficar mais sedenta!

Agora no segundo semestre de 2011 o debut álbum “The Essence Of Apocalypse” se materializou. 
A espera valeu muito à pena; logo no encarte já nos deparamos com uma arte gráfica linda de autoria de Marcelo Vasco (que já trabalhou para bandas como Korzus, Belphegor, Vader, Keep Of Kalessin, entre outros).

“The Essence of Apocalypse” saiu em formato digipack pelo selo Eternal Hatred Records com 11 faixas vigorosas, com um claro amadurecimento dos músicos. Principalmente dos vocais de Aline, que estão bem mais fortes e característicos. A temática das letras é bem atual. Abordando a autodestruição da raça humana. É um trabalho matador do começo ao fim, deixando claro as influências do Death Metal na banda.

Difícil dar destaque só pra uma ou outra faixa, citarei as que tenho ouvido mais: Famine, Infernal Voluptuousness, Final Theory e Mental Torture PT. I e 2.  



Adquira já sua cópia de "The Essence Of Apocalypse".
Ver um show do Exhortation é sinônimo de destruição total de pescoços! Falarei mais sobre isso na futura resenha do festival Rock in Hill, que aconteceu no dia 26 deste mês de Novembro. Aguardem.


Segue a foto da minha cópia de "The Essence Of Apocalypse" e mais a palheta que ganhei do grande Renato de Luccas ao término da apresentação no Rock in Hill (imaginem a alegria da criança aqui)!
 
Compre o "The Essence Of Apocalypse" aqui na Mutilation Records

A história da banda é um grande exemplo de persistência, espera e amor à música. Sei que as coisas não aconteceram tão imediatas quanto mereciam. Viver de música nunca foi fácil (e se fosse não teria a menor graça). Finalmente com o primeiro álbum lançado fisicamente chegou a hora de espalhar essa destruição mundo a fora!     
   

Mais algumas fotos e links para conhecer mais a banda:

Aline Lodi no Manifesto Bar - SP (18/09/11)

Billy Dark Machine no show de abertura para o Krisiun em Campinas - SP (01/11/11)

Rodrigo Piazza no show de abertura para o Krisiun (01/11/11)  

Renato de Luccas no show de abertura para o Krisiun (01/11/11)

Exhortation no festival Rock in Hill na cidade de Bueno Brandão - MG (26/11/11)




By Harumi

Myspace
Facebook
Flickr
YouTube
Reverbnation
Twitter
Blogger

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Resenha: Triumph of Metal Fest

 O orgulho para os headbangers de Minas Gerais!

Dia 05 de novembro foi realizado no clube de campo de Pouso Alegre - MG, a quinta edição do já tradicional festival Triumph of Metal.

O festival foi idealizado no ano de 1999 por Rodrigo Azevedo e Gustavo Oliveira, com a intenção de reunir em um festival grandes bandas do metal nacional e regional, das mais variadas vertentes do Rock e do Metal, ajudando assim a incentivar a cena Metal em Pouso Alegre e região.

Com um cast impecável, o festival trouxe para Pouso Alegre esse ano as bandas Attomica (que comemorava os 20 anos do lançamento do álbum Disturbing Of Noise de 1991), Motorocker, Lothlöryen, Hellish War, Calvary Death, Statik Majik, Woslom, Silence e Stormtrooper.



 O Heavy Metal da banda Silence abriu a noite com clássicos do Metal, animando bem a galera.
O Statik Majik surpreendeu com um show excelente, divulgando seu primeiro álbum "Stoned on Musik", com direito a cover de "War Pigs" do Black Sabbath (que foi sem dúvida um dos melhores coros da noite).
Logo em seguida os bardos do Lothylöryen trouxeram todo encanto do folk metal, para uma platéia que mostrou já conhecer bem o som da banda. Eram um dos shows mais aguardados do festival e fizeram honra a expectativa. Vindos de Itaúna (MG) o Calvary Death fez a alegria dos fãs de metal extremo. A banda foi uma das primeiras bandas mineiras de Death Metal a conseguir projeção nacional. Depois de um hiato de 15 anos a banda voltou a ativa e atualmente divulga seu novo álbum Serpents. Num show brutal, com grande presença de palco, a banda agradou muito aos presentes.
Attomica era com certeza um dos shows mais esperados do festival. Embora alguns problemas de som tenham ocorrido, a apresentação da banda não foi prejudicada. Foram tocadas músicas de todos os álbuns, em especial de Disturbing de Noise, que completava 20 anos de lançamento. O público agitou do começo ao fim, batendo cabeça e formando rodas violentas.  Realmente não é a toa que o Attomica é uma das bandas mais queridas e respeitadas do Thrash Metal nacional. 
Em seguida o Motorocker se apresentou trazendo Rock 'n Roll nacional, com muito humor, mesmo a galera já estando cansada a banda teve uma ótima platéia que curtiu e cantou junto. Com direito até a algumas fãs dançando no palco.
O Hellish War, fez um excelente show, que agradou muito aos que ainda tinham energia para acompanhar. Infelizmente devido a hora a banda já contou com um público um pouco menor.
A banda de Thrash Metal Woslom, divulgava seu debut "Time to Rise", embora para um público menor e já cansado, a banda conseguiu mostrar um bom trabalho que agradou aos que ainda estavam no local.
Infelizmente não tive energia para conferir a apresentação do Stormtrooper de Pouso Alegre.

Só tenho a parabenizar todas as bandas pelas ótimas apresentações e deixo os meus parabéns principalmente a organização do festival, pelo grande apoio ao metal nacional, as bandas de som próprio e aos outros eventos da região. Tenho orgulho de ter estado presente em um festival tão bom, e de saber que Minas Gerais possui eventos que colocam os fãs e a música em primeiro lugar!



Ai vão algumas fotos e vídeos do festival:

Silence (Pouso Alegre - MG)


Statik Majik (Rio de Janeiro-RJ)


Lothlöryen (Poços de Caldas -MG)


Calvary Death (Itaúna - MG)

Attomica (São José dos Campos - SP)

Motorocker (Curitiba - PR)


Hellish War (Campinas - SP)


Woslom (São Paulo - SP)
galera:


Enfim:  que venha logo a 6ª edição.

\m/

Fotos: Robson T. Paiva  e  Matheus S. Azevedo.
Texto: Youkai